10/01/2018

Querido 2018


O ano de 2018 chegou faz alguns dias, e eu não poderia estar mais feliz. Sou daquelas que ama o Ano-Novo pela atmosfera que se instala em mim e nas pessoas ao meu redor; aquela faísca que pode representar mudanças, decisões e quebra de importantes barreiras. Embora eu esteja criando cada vez mais consciência de que o ano novo é a gente que faz, é sempre bom ter um empurrãozinho para começar os próximos 365 dias de coração e mente abertos. 

2017 foi, particularmente, um ano incrível pra mim. Pude viajar no meu aniversário, conhecer um ponto de São Paulo em que eu nunca havia ido (o Theatro Municipal), fazer um tratamento dermatológico que me trouxe grandes resultados, entre tantas outras coisas maravilhosas e inesperadas. Minha lista de shows aumentou, assim como a de idas ao cinema; tive mais certeza do que queria fazer na faculdade, e consegui passar em duas particulares ocupando ótimas colocações. 

Quando 2017 chegou, vi muitas pessoas dizendo que esse seria o ano do encerramento de ciclos, e senti na pele a dor das despedidas e a sensação de dever cumprido. Me formei no Ensino Médio, e agora sou oficialmente, também, Técnica em Multimídia. Finalizei meu estágio e não peguei nenhuma recuperação durante os meus anos de colégio. Infelizmente, também encerrei amizades, mas sei que as lembranças boas que ficaram comigo irão preencher o meu coração e a minha memória ao longo da minha vida. 

Descobri um método de organização novo, que estou colocando em prática; não li os livros da minha estante, mas pude assistir e maratonar diversas séries. Reencontrei pessoas que já fizeram parte do meu caminho, e hoje sei que eles sempre continuaram ao meu lado, de alguma maneira. Aliás, (re)descobri amigos que eu nem fazia ideia que tinha, e nunca serei capaz de expressar apropriadamente minha gratidão por tê-los ao meu lado. 

2017 me deixou, ainda, diversos aprendizados, seja por minhas ações ou de outros ao meu redor. Claro, não vou dizer que os aprendi completamente, mas estou em um processo diário de aplicá-los em minha vida. Estou, aos poucos, percebendo que tentar levar a vida mirando a perfeição é algo frustrante e autodestrutivo; o importante é vibrar com os acertos, reconhecer os erros e procurar ser uma pessoa melhor do que aquela que fui ontem. 

E quando a contagem regressiva se encerrou, na virada do dia 31 de Dezembro, eu pude olhar ao meu redor e sentir que as portas fechadas ao longo daquele ano representarão grandes e novas oportunidades nesse ano que acabou de chegar. Talvez, escrevendo esse texto, eu esteja virando a última página de 2017 – ainda que tardiamente – para entregar-me de corpo e alma ao que pode – e será – o melhor ano da minha vida até agora.

Fonte: Pinterest

Porque, para que o ano seja incrível, basta apenas eu querer. 

Pode vir, 2018. Que eu te faça um conjunto de experiências lindas, aprendizados ricos e oportunidades memoráveis.

08/01/2018

Diário do Roacutan #07 - Sexto mês e tratamento finalizado!



Já faz um bom tempo desde o último Diário do Roacutan aqui no blog, e mano do céu, nem dá pra acreditar que eu não só cheguei ao sexto mês como acabei meu tratamento oficialmente! Como o sexto mês não teve tanta diferença em relação ao quinto, resolvi juntar tudo num post só e aproveitar pra contar, além da fase final do tratamento, como foram esses três (!) meses depois do Roacutan. O post tá comprido, mas foi escrito com muito muito carinho!

Desde o meu último post aqui no blog, eu só tive a oportunidade de fazer o retorno na dermatologista no comecinho desse mês, mesmo ela tendo pedido para que eu voltasse um mês depois do fim da última caixinha de Roacutan. A maior preocupação dela – e minha também – não estava na pele em si, mas no meu colesterol, que havia dado uma aumentada durante o tratamento. Fiz os exames no meio de novembro, então não tive que esperar por muito tempo para saber os resultados e as considerações da dermatologista sobre os exames e sobre o tratamento como um todo.

Vamos, então, ao sexto – e último – mês de Roacutan: não houve nada de novo sob o sol. Comecei a última caixinha no dia 12 de agosto e terminei, oficialmente, no dia 28 de agosto. Durante esses últimos quinze dias, a minha pele ainda sofreu um pouco com o período de recaída (inclusive, às vezes ameaçava nascer espinhas tão ruins quanto às do início do tratamento), mas com bastante creme antes de dormir e protetor solar eu consegui aguentar firme e o tratamento encerrou bem, hehe.

Aproveitei também esse fim de tratamento pra renovar o meu estoque de produtos pra pele. Tô usando um protetor solar da La Roche-Posay que deixa minha pele numa textura maravilhosa, e usei também sabonete facial da Nivea, que ajudou bastante a deixar a pele menos seca. Está sendo um grande processo achar os melhores produtos pra minha pele, já que ela mudou significativamente durante esses seis meses de Roacutan, mas confesso que estou adorando testar vários produtos - e se vocês quiserem, eu posso fazer um post com aqueles que fizeram diferença no tratamento!

Quanto aos meses que se passaram após o tratamento, nunca estive tão feliz com a minha pele. Sério, é muito muito muito gratificante pra mim poder ver que o tratamento realmente teve um efeito positivo na minha pele, e como isso afetou a minha autoestima de um jeito bem transformador. É muito pesado travar uma batalha com o que você vê no reflexo do espelho todos os dias, então poder tornar o relacionamento comigo mesma algo mais tranquilo é maravilhoso, e com certeza uma das maiores conquistas de 2017.

E, como não podia faltar, aqui estão as minhas fotos - todas sem edição!








Tenho que admitir que passei boa parte desses três meses depois do remédio sem cuidar direito da minha pele; isso porque esse segundo semestre foi uma completa loucura pra mim - em todos os aspectos possíveis -, mas eu não abri mão de pequenos rituais como lavar o rosto com o sabonete adequado e passar protetor solar todas as manhãs. Com as férias, pretendo voltar com a minha rotina normal de cuidados, sempre me certificando quanto a qualquer sinal da acne voltar.

Agora, sinto que minha pele deu uma boa estabilizada quanto à oleosidade e à textura. Nos primeiros quinze dias sem o Roacutan, logo que troquei meus dermocosméticos, senti que meu rosto ficou com uma textura meio áspera, tão seca quanto no comecinho do tratamento. Achei inclusive que era uma reação alérgica ao sabonete facial que eu estava usando, porém foi questão de dias para a situação estabilizar e minha pele ficar menos seca. A oleosidade da pele de antes do tratamento não voltou, mas o cabelo está quase do mesmo jeito de antes do Roacutan. Por conta disso, tô aproveitando para descobrir novos shampoos e condicionadores que deixem o meu cabelo menos oleoso, e de quebra, acabo aprendendo mais sobre técnicas para lavar e cuidar do cabelo (olha o low poo aí, gente!). É incrível como o Roacutan não foi – nem está sendo – somente um tratamento para a pele.

Já em relação à consulta, que foi no dia 05 de dezembro, tive resultados muito positivos! Meu colesterol abaixou realmente, e a dermatologista ficou muito feliz em ver como os resultados foram satisfatórios e não regrediram desde o fim dos seis meses de Roacutan. Agora, eu vou começar um tratamento para os queloides que eu tenho no ombro; vai ser algo bem simples, tanto que não tenho muitos planos em compartilhá-lo mês a mês aqui no blog. Porém, caso o tratamento tenha resultados bem satisfatórios, é provável que eu apareça por aqui para trazer algum update pra vocês. 

E esse foi o último post do ano aqui no blog! Espero trazer em 2018 mais algum (ou alguns!) Diário do Roacutan, mostrando o progresso dessa etapa pós-tratamento. Gostaria também de aproveitar para agradecer ao pessoal que leu – e me pediu! – os posts dessa série que foi muito muito muito especial pra mim. Mesmo que o blog não tenha sido a minha prioridade em 2017 (infelizmente), saber que tem gente lendo do outro lado da tela significa muito!

Espero vê-los em 2018, com mais posts e muito mais experiências pra compartilhar. É isso, amo vocês, e até 2018! <3


20/09/2017

Links do Mês #08 - Agosto (2017)



Se houvesse um prêmio para blogueira mais atrasada de agosto, eu com certeza ganharia haha! Agosto foi um mês bem maluco, com volta às aulas, provas e TCC, mas antes tarde do que nunca né galera? Vamos falar então desse mês que veio com a volta dos Tribalistas, clipe novo da Taylor Swift e mais um tantão de coisa legal pra compartilhar! Vem ver!

Posts

Desde que me viciei no método do bullet journal (que aliás, irei começar oficialmente em janeiro!), tô pesquisando - e amando! - muitos métodos de organização e tentando achar o ideal para mim. Entre os diversos studygrams que eu passei a seguir, acabei caindo nesse post do @emmastudiess, e fiquei feliz da vida com o tanto de dica boa que ela compartilhou!

Só mais um desses textos que me fazem amar e agradecer demais por morar em uma cidade tão incrível quanto São Paulo!

Estava procurando há um tempo um poema do Drummond e acabei achando essa série de vídeos maravilhosos! Eles são de 2015, mas as interpretações continuam emocionando a cada um que vê! O meu favorito entre eles foi O amor bate na aorta! 
É sempre válido compartilhar trabalhos feitos por mulheres! Já adicionei diversos desses livros na minha wishlist literária! 

5. Desafio: 1 look por uma semana no Gabi Barbosa
Ando acompanhando muitas blogueiras que falam sobre consumo consciente, e aos poucos eu tento inserir algumas das dicas no meu dia a dia. Esse desafio de 1 Look por Uma Semana está rolando em alguns blogs e perfis do Instagram, e esse post da Gabi Barbosa me deixou curiosa pra conhecer ainda mais sobre essa iniciativa. Às vezes, tudo o que a gente precisa é de uma nova perspectiva sobre as coisas que a gente tem.

Cultura de estupro é um negócio sério, real e que deve ser discutido cada vez mais. Quando a gente para e pensa sobre o impacto que esse tipo de pensamento tem na nossa sociedade, é triste sentir que, como mulheres, tememos pela nossa segurança porque estamos inseridas em um ambiente em que a noção de "estar pedindo" é levada muito mais em conta do que o respeito pela integridade de nossos corpos e mentes. Sempre que posso, compartilho algum texto sobre o assunto aqui no blog; é minha maneira de me posicionar sobre o assunto.

Eu, de coração, acho o português uma língua maravilhosa! Não é a toa que eu me dou bem com as matérias de literatura e gramática no colégio, hehe. Acho incrível como a língua é capaz de contar uma história por si só - e como ela pode atravessar oceanos e ganhar espaços em lugares que julgamos impossíveis.

8. Carta Para Eu Mesma Quando Jovem no The Players Tribune
Não tem como não se emocionar com a história da Marta, a jogadora de futebol que calou a boca do mundo ao mostrar que as mulheres podem - e muito! - fazer aquilo que elas bem quiserem. Confesso que escorreu uma lágrima ao ler esse texto!

Sou a favor da moda como maneira de expressão e como reflexo de nossa personalidade. Essa ideia de ficar determinando qual mulher pode usar o que é incrivelmente ~fora de moda~, e a única coisa que deveria definir se devemos ou não usar uma roupa é como nós nos sentimos ao usá-la.

10. Malala é aprovada para estudar na Universidade de Oxford no EcoDesenvolvimento
A Malala é, de longe, uma das minhas grandes inspirações como garota e como ativista. Admiro muito a força que ela tem ao se colocar como ativista em um país marcado por grupos extremistas e costumes machistas, então vocês já imaginam minha alegria quando vi que ela poderá aprender ainda mais sobre o mundo e compartilhar as suas experiências, né?

Vídeos

1. O clipe de Perfect Places, da Lorde


Desde que o segundo álbum da Lorde, Melodrama, foi lançado, eu tive a certeza de que ela é uma das artistas mais talentosas da atualidade. O sucessor de Pure Heroine é carregado de faixas que evidenciam o talento da cantora neozelandesa, e Perfect Places é uma delas. Sério, tem como ouvir essa música e não dançar?

2. O mundo endoidou - Ep. 1038, do Cadê a Chave?


Faz pouco tempo que conheço os canais do Leon e da Nilce, mas já perdi a conta de quantas tardes eu fiquei vendo o Coisa de Nerd e o Cadê A Chave?. O conteúdo que eles produzem consegue ser engraçado, e ter momentos de discussões extremamente válidas sobre acontecimentos do mundo. Esse, em particular, me deu esperanças para acreditar que os bons são maioria, mesmo em um mundo onde, em pleno 2017, ainda temos de lidar com episódios horrendos como a manifestação neonazista que houve nos Estados Unidos.

3. Dia de jurada do Masterchef: comi nos restaurantes do Jacquin, Fogaça e da Paola , da Karol Pinheiro


Não seria Links do Mês se não tivesse alguma coisa da Karol Pinheiro, haha! Fico muito inspirada em ver gente levando pro YouTube um conteúdo diferente e realmente pensado, ainda mais quando muitos canais que fazem sucesso por aí não se preocupam e agregar algo de valor ao público. Eu me diverti horrores assistindo a esse vídeo, e agora tô com vontade de rodar São Paulo só pra provar pratos diferentões!

4. MULHER | #VisibilidadeLésbica, da Louie Ponto


Esse é um daqueles vídeos que nem dá pra comentar muito, a gente só admira mesmo haha! Respeito e me inspiro muito no trabalho da Louie Ponto e na vivência que ela procura expor e debater com o público dela. Por mais gente assim na Internet <3

5. O curta In A Heartbeat 


Ao longo desse mês, diversos canais e portais de entretenimento falaram sobre esse curta, então eu fui correndo vê-lo e fiquei apaixonada! O coração ficou até mais quentinho depois de ver o trabalho lindo que foi feito com essa história de amor tão fofa!

E a gente se vê no finzinho de setembro com mais outro tanto de Links do Mês!